Resumo CIA: 3a base do autoconhecimento

A terceira base do autoconhecimento é o contato com a essência.


Nossa essência é eterna e infinita.

Não está presa a formas transitórias.

Portanto, nosso corpo não é a nossa essência, mas um veículo passageiro.


Mais eficiente que explicar a essência, é senti-la na prática.


Independentemente das circunstâncias, ela é o sentimento de paz e felicidade genuína, que irradia de nosso coração. Esse sentimento não está condicionado a nenhum acontecimento em especial. Simplesmente emana de nosso Espírito.


Há muitas ferramentas que nos ajudam a tocar a essência.

Nao é difícil senti-la. Mas, muitas vezes, precisamos liberar pesos desnecessários em nossa bagagem.

Exercícios como o ho'oponopono, a meditação, a prece verdadeira tendem a nos ajudar.


O domínio dessas ferramentas costuma ser gradual.

A essência não é algo a ser desenvolvido, ela já está pronta. Mas geralmente nos abrimos para ela num tempo próprio. É um processo de alquimia que envolve sabedoria, equilíbrio e lucidez. Ao lado, cena do filme O Pequeno Buda, que ilustra o processo de iluminação de Sidarta Gautama.


Entrar em contato com a essência é o grande passo para nossa real liberdade. Porque ela não está presa à dualidade do mundo. Ou seja, não depende de que certas expectativas sejam atendidas.



Pode ser acessada a qualquer instante. Depende apenas da nossa abertura e da nossa não-resistência.

É como o sol que brilha sempre, mesmo encoberto pelas nuvens.


*** esse resumo faz parte do conteúdo do curso de introdução ao autoconhecimento.

Voltar para a página inicial

  • facebook
  • instagram